Testemunho – Sara

Acredito piamente na expressão que digo há muitos anos “Whats goes around, comes round” que por coincidência é uma das frases logo do início do livro do Mestre que aconselho vivamente a sua leitura.

Conheci tudo há cerca de um ano e meio quase por brincadeira. Sou muito curiosa por natureza e sempre que me desafiam para novas coisas raramente consigo dizer que não. E assim foi! O Miguel já me andava a desafiar há algum tempo e um dia, após ter tido um episódio um pouco desagradável, decidi que ia experimentar. Assim começou, com um mantra muito pessoal, ter um corpo saudável e uma mente sã. Hoje, passado este tempo, continuo a repeti-lo bastantes vezes para mim mesma.

O ano passado, quando fiz 30 anos, senti que tinha que ser um ponto de viragem na minha vida e decidi ir ao Templo – Lu Mountain Temple- em LA. Foi uma experiência muito rica em vários sentidos e tão mais completa do que imaginava que por vezes, em dias mais stressantes, transporto-me para aquela semana de paz e de tempo para ter tempo, desculpem a redundância.

Ao meu redor muitos me questionam sobre o porque de praticar e que benefícios sinto, confesso que para mim ainda é difícil resumir o turbilhão de pensamentos que tenho. O principal benefício é a consciência cada vez mais real da minha pessoa física e mentalmente falando, de conhecer melhor os meus limites e de estar sempre a tentar ultrapassa-los. A primeira vez que fiz foi um sofrimento aguentar 10 minutos e posso dizer que até assustador, sente-se um conjunto de transformações naquele espaço de tempo que parece uma eternidade. Passei sem dúvida a dar mais valor ao tempo, 1 minuto em posição de full lotus é precioso e pode fazer a diferença. Minuto a minuto consegui alcançar 1 hora, que sem dúvida foi um marco neste caminho.

Gosto da simplicidade complexa e da dureza sem romance deste tipo de meditação, ou pelo menos é assim que a vejo. Para qualquer questão que tenhamos na vida a resposta é sempre a mesma, Sit longer. Existem outras formas de alcançar as coisas? Acredito que sim. Damos mais valor assim? Também acredito que sim.

No último fim-de-semana de Abril todos terão a oportunidade de ter um contacto próximo com o chan com a vinda do Mestre YongHua. São 3 dias totalmente abertos à escuta ativa e a testar os limites de cada um. Existe a liberdade total para cada pessoa evoluir ao seu ritmo consoante a sua vontade. Quem vier basta ter o espirito aberto porque “Uma viagem de mil milhas começa com um primeiro passo!”